quinta-feira, 25 de junho de 2015

Por favor – é uma Chávena de Hortências e uma FLANZINE Rosa-Pig. Obrigada.




Grandiosas saudações.

A Flanzine nº 8 já saiu à rua… podem comtempla-la por aí, por aqui, por acolá…

A minha chegou ainda há pouco. Fazia tanto calor que a pobrezinha quase se queimava com tanto sol… por sorte, vinha bem embrulhada em plástico-bolha.

Que dizer mais?! Para já ainda estou a tentar decifrar se o seu tom de Rosa-Pig é tom de pele… ou… se é apenas um vestido justo… mas a avaliar pelos conteúdos no interior - não seria de estranhar se o tom rosa-pig em questão fosse o da sua pele nua a pavonear-se pelas bancas onde abanca, ou pelas mãos por onde passa corada e envergonhada, mas mais quente que uma brasa.

Ora bem, e que mais vos posso dizer eu sobre esta Flanzine envergonhada de tanta sem-vergonhice?!

Tem quarenta e quatro páginas, muito texto, algumas ilustrações, uma delas está em êxtase e é minha… as entranhas são a preto e branco com laivos de cor no início e no fim… e… para não dizerem que é restrita apenas a texto e ilustração - também por lá aparecem quase meia dúzia de fotografias.

Sobre os conteúdos - esses vão parar todos ao Pimbó-Romântico… porquê?!, não faço ideia... talvez porque aos olhos de João Pedro Azul e Luís Olival, o tema lhes pareceu tão bom como outro qualquer para este nº 8 da revista.




Por fim - sobre o êxtase da minha ilustração… ou da minha ilustração em êxtase… pois bem… sobre ela posso apenas dizer-vos que tive de ter como mote para a sua realização uma canção Pimba… o que para mim, diga-se de passagem, foi quase uma tortura, ou não padecesse eu de alergia severa ao tema…

Salvou-me o facto de não ter de ouvir a música e poder limitar-me a ler a letra da mesma… o ler não eliminou o padecimento… mas... aliviou o mesmo em muito.

A canção eleita para o sacrifício foi - “Maldito Amor”, de uma senhora chamada Ágata… e o título com que a ilustração acabou foi – Esse Maldito Amor Me Vuelve Loca.
Porquê?!, simples - Primeiro - porque louca foi quase como eu fiquei quando o senhor João Pedro Azul me disse que eu tinha de ilustrar algo com inspiração no universo Pimbó-Romântico. Nada contra quem gosta, mas eu não gosto… peço assim apenas que respeitem a minha opinião, da mesma forma que eu respeito a opinião e o gosto das outras pessoas, mesmo quando não são gostos ou opiniões iguais… Com respeito - a diversidade de gosto e opinião pode ser uma coisa maravilhosa.

Segundo - porque quis-me parecer que só estando-se muito louca é que se poderia escrever uma letra daquelas… e quando digo louca - falo em todos os sentidos possíveis e imaginários da palavra… e atenção que não quero com isso de forma alguma ofender ou ferir a susceptibilidade de ninguém… muito menos, a da senhora Ágata, aliás, muito pelo contrário, só tenho a agradecer-lhe, sim - agradecer, porque mesmo não gostando tenho de admitir que a letra da sua canção foi um excelente manancial de inspiração.

Já que falo em agradecimentos, tenho de agradecer também ao João Pedro Azul o convite e o desafio… às vezes é bom ser-se desafiada para coisas insólitas como esta e deixarmos-nos surpreender com o resultado. Obrigada João.


Em modo despedida, deixo-vos assim para terminar este já longo diálogo - não só algumas fotos desta FLANZINE… mas também - a respectiva ilustração reenquadrada e a preto e branco para figurar no interior da revista... tal como... a ilustração original. Espero que gostem.

Até mais, até lá continuem bem e muito inspirados/as...

Elisabete, a Borboleta Despenteada



quarta-feira, 10 de junho de 2015

CAMÕES sem Collants



Grandiosas saudações.

Este ano o Camões acabou sem collants… é no que dá passar a vida a declamar versos de amor a todas as mulheres que vê… alguém não gostou da façanha e confiscou-lhe os collants enquanto ele estava desprevenido. 

Terá sido a Musa A por ciúmes?!!!
A Musa C por malvadez?!
Ou a Musa Y para ficar com uma recordação?!?!

Vá-se lá saber qual terá sido a Musa que “fanou” os collants a este verdadeiro pinga-amores loiro arruivado com pala no olho direito… 
...ou se foi sequer uma Musa…

Certo-certo é que ele acabou em pêlo... de bunda ao léu… coitado do rapaz... que ficou assim durante o dia e com o calor que faz ainda apanha um escaldão. Não fosse o livro Os Lusíadas ser bem grande e estar à mão, e outras partes teriam também acabado ao descoberto.

Não lhe bastasse já a sua triste sina, ainda apanhou um grupo de Índios que não gostaram nada-nada da concorrência, tratando logo de o afugentar com penas voadoras “assassinas”…

Espero que com o cair da noite a sina deste nosso Camões mude... e ele consiga encontrar um aconchegante poiso… ou uma bela donzela que o console...

Até mais, até lá desejo-vos um Feliz Dia de Camões e de Portugal:


Elisabete, a Borboleta Despenteada

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Chá Quente em Praia Fria_Hot Tea in a Cold Beach



Grandiosas saudações.
Sentido de dever cumprido por ver mais uma encomenda terminada, entregue e aprovada :)

Obrigada Liliane pelo pedido - foi um enorme prazer realizar este teu saco de tiragem única :) e que está personalizado com uma ilustração feita exclusivamente à medida para ti.
Obrigada também ao Pedro - o mais que tudo da Liliane… e à Suri - a bela cadela de ambos. Foram sem dúvida alguma uma excelente fonte de inspiração.

Desejo-vos de todo o coração um futuro brilhante… repleto de momentos incríveis, muito amor, muitos sonhos tornados realidade e muita cumplicidade entre vós.

Por último - um grande obrigada também à Ângela, pois sem a publicidade dela ao meu trabalho a encomenda em questão provavelmente nunca teria acontecido.

Deste Chá Quente em Praia Fria, (se bem que com o calor que faz actualmente bem que poderia ser antes um Chá Frio em Praia Quente), deixo aqui algumas imagens - como o esboço final para a ilustração a figurar no saco… ou… algumas fotos do mesmo. Espero que gostem.

Até mais, até lá desejo-vos como sempre – tudo de mágico.

Elisabete, a Borboleta Despenteada